TOP 10 – FASES AQUÁTICAS NOS GAMES

Sem Título-1


Hoje, 22 de março é considerado o Dia Mundial da Água, e com isso resolvi relembrar as fases mais chatas dos jogos de video game, pois um bom jogo que se preze não pode deixar de ter sua fase aquática. Porém, como sou um cara mais clássico, irei postar somente as fases aquáticas dos jogos antigos (somente os de 8 e os de 16 bits), nada de jogos atuais. Então vamos lá:


10 – Teenage Mutant Ninja Turtles (Nintendinho – 1989)

Tartarugas ninjas

A primeira aventura das Tartarugas Ninja nos consoles de videogame chegou para o NES, pelas mãos da Ultra Games (leia-se Konami). Diante da enorme popularidade dessas tartarugas nessa época, o jogo fez parte da biblioteca de muitos gamers.

E todos quebraram a cabeça com a dificuldade do jogo. E umas das fases das mais lembradas é sem dúvida a aquática, onde a tartaruga precisa localizar e desarmar bombas prestes a explodir.

O problema é que para chegar até elas, você tem que passar em meio ao que parecem ser plantas eletrificadas (!) que muitas vezes ocupam praticamente todo o cenário (!!). E claro, para deixar a tarefa um pouquinho mais impossível, você tem um tempo limite, antes que as bombas explodam (!!!).


9 – Super Mario Bros ( Nintendinho – 1985)

Mario Bros

O primeiro jogo de aventura em plataforma da trilogia do encanador italiano para NES, trazia na segunda parte do segundo mundo a primeira fase subaquática do game.

O objetivo era pegar as moedas e chegar ao final do percurso. Para ajudar, você pode utilizar suas bolas de fogo (dentro da água!) para derrotar polvos e peixes. Se tocar em qualquer um deles, é uma vida a menos para você! Tudo isso ao som de uma musiquinha típica de um parque de diversões.

Mais algumas fases semelhantes a essa aparecem até o final do jogo, sempre com acréscimo na dificuldade à medida em que se avança no game. Um clássico das fases aquáticas. Depois dele, praticamente todos os jogos da franquia possuem a sua cota de fases subaquáticas, desde as fantásticas presentes em Super Mario Bros. 3, até as polêmicas e as vezes irritantes do jogo Super Mario Sunshine para Gamecube.


8 – Ecco the Dolphin ( Mega Drive – 1993)

Ecco

Impossível falar de água e luta pelo bem-estar do planetanos games sem lembrar de Ecco the Dolphin. O simpático golfinho Ecco tem que encontrar sua família e também salvar todo o planeta de um desastre causado por uma misteriosa tempestade.

Um jogo simples, que trazia gráficos de encher os olhos na época, e claro, muita água! O jogo acontece com Ecco praticamente 100% do tempo submerso, afinal, estamos falando de um golfinho. Ecco retornou para salvar o mundo em outras aventuras nos consoles de 8 e 16bit, até que chegou ao Dreamcast e ao Playstation 2 no início dos anos 2000.

Depois disso não ganhou nenhuma nova aventura, figurando apenas em algumas coletâneas de clássicos da SEGA e recentemente em um remaster 3D deste jogo de 1993 para o Nintendo 3DS. Será que veremos esse simpático golfinho de novo algum dia?


7 – Megaman X ( Super Nintendo – 1993 )

megaman-x

Megaman X é um jogo que até hoje me traz muitas recordações(e espero que para sempre), me lembro de ir no meu amigo e por mais que tenta-se não derrotar Sigma, lendas sobre partes da armadura inventadas em locais diversos, e por aí vai.

Depois de algum tempo toda série precisa inovar, não importa qual, e no caso de Megaman isso começou parcialmente aqui, houve uma mudança de séries, fugindo da clássica para a X, isso foi bom, a série X é uma das mais conhecidas e tirou um pouco o aspecto infantil que se tinha sobre Megaman, na série X além de deixar Megaman mais forte, dar a capacidade de escalar paredes, o Buster mais poderoso e etc… O cenário menos “colorido” como era nos games anteriores, e oponentes com uma cara mais realista. Entre outras inovações.


6 – Tiny Toon Adventures (Nintendinho – 1991)

tiny4

Tiny Toon Adventures do Super Nintendo traz toda a maluquice dos pequenos Looney Tunes e seus episódios na TV em diversos estágios. Você deve controlar o Buster Bunny, o Perninha, protagonista da série. O Tiny Toon Adventures apresenta cores vibrantes, como o cartoon. Cada nível é detalhado com capricho, e a mesma fase apresenta, muitas vezes, cenários e obstáculos bem distintos e criativos.


5 – Marvel Super Heroes: War of The Gems (Super Nintendo – 1995)

marvel2

Este jogo de ação para o SNES é muito viciante e conta com a principal equipe do universo Marvel atrás das jóias do infinito, pedras mágicas que tem um poder imensurável, antes que alguém maléfico chegue pegue-as. Você controla apenas um membro da equipe por vez e escolhe entre Iron Man, Hulk, Capitão América, Wolverine ou Homem-Aranha e guiados por Adam Warlock na busca pelas jóias. Ressalto que nem todas as fases te darão uma joia e que cada joia concede um poder em particular (aumento de força, aumento de HP, pular mais alto…). O jogo é uma boa pedida para os que gostam de ação é uma mescla de plataforma com beat’em up, e conta com cinco personagens com as habilidades fiéis as HQs, fazendo o jogo ser bastante versátil e difícil de enjoar.

Algumas gemas me soaram inúteis, que só estão lá para encher linguiça e a mecânica algumas horas facilita o jogo, basta haver uma repetição em certos movimentos para que você derrote determinado chefe, o que eu acho uma babaquice e uma deficiência na AI do jogo. E por final o jogo também tem umas inconsistências, como Iron Man perder ar embaixo d’água e Hulk não pular alto. Infelizmente também o jogo não tem um multiplayer, o que cairia como uma luva em um jogo como esse.


4 – Alex Kidd in Miracle World (Master System – 1986)

Alex Kidd

O objetivo da SEGA era bater de frente com a Nintendo e seu sucesso Super Mario. Então é claro que no primeiro jogo do pequeno Alex, teríamos também fases aquáticas, né? E ela não demora nada para aparecer.

Já no final da primeira fase você nada em busca do seu delicioso X-Salada que está no fundo do rio (deve realmente estar muito delicioso – risos), ou seu igualmente gostoso bolinho de arroz, caso tenha jogado a versão japonesa do game.

Assim como em Super Mario, durante o game várias outras fases como essa aparecem, sempre recheadas de dificuldades e perigos. Aproveitando que falamos do Alex, tá aí um personagem que poderia ganhar uma nova aventura. Que tal, SEGA?


3 – Sonic The Hedgehog ( Mega Drive – 1991)

3 Sonic

Em seu próximo console a SEGA lança um mascote carismático, que chega para fazer frente ao poderoso bigodudo da Nintendo. Logo na primeira fase, Sonic se vê correndo entre rios e cachoeiras, em um belíssimo cenário aquático (porém sem água na jogabilidade).

É no quarto mundo do jogo que o porco-espinho precisa entrar na água. E quem não se lembra daquela musiquinha frenética – para não dizer irritante, que toca junto com um timer quando Sonic começa a ficar sem ar embaixo d’água? Para se salvar, Sonic precisa tocar em uma bolha de ar para recuperar o fôlego.

Um jogo inesquecível, com gráficos belíssimos, que tem em suas fases aquáticas alguns dos maiores desafios do jogo.


2 – Super Mario World (Super Nintendo – 1990)

2 Mario

Super Mario foi o primeiro jogo com o qual tive contato, jogava quando era pequeno e logo fiquei craque neste jogo. A história é simples e repetida, salvar Peach das garras do vilão Bowser, mais pra isso você deve passar por cima de seus sete filhos (ou não). O jogo é um tipo de plataforma bem interessante, e bem moderno pra época. De forma que você consiga jogar hoje sem ficar notando bugs gráficos. Os cenários são bem legais, principalmente as fases de gelo, que são minhas favoritas. Outro fator que faz desse Mario cativante são seus segredos, as fases em vermelho no mapa, demonstram que esta tem outra saída, seja uma chave ou um bônus escondido, perdia horas descobrindo esses segredos, aliás, joguei o jogo com uns 6 anos e só fui zerá-lo (abrindo os 96 caminhos) quando tinha uns 12.

Já as fases da água era uma das coisas mais chatas que tinha, pois o nosso heróis tinha quase sempre que está equipado, seja com o Yoshi, com a peninha, flor ou a estrelinha para passar de alguns lugares, isso porque o Mario (ou Luigi) acabava ficando mais lento por está na água.
Porém, isso não muda o fato dele ser um dos melhores jogos de todos os  tempos!


1 – Donkey Kong Country (Super Nintendo – 1994)

1 DK

Essa série tem em todos os jogos alguma fase aquática, porém só usarei o primeiro por achar muito incrível (para a época)os seus gráficos. Poderia citar as fase do DKC2, más ficará pra uma próxima vez.

A Nintendo, em parceria com a Rare, conseguiu em 1994 renovar um de seus personagens mais icônicos com o game Donkey Kong Country, que juntamente com Killer Instinct, também fruto dessa parceria, trouxe gráficos renderizados ao Super Nintendo – o “hype” daquele tempo, dando vida extra ao console, em pleno início da nova geração com Jaguar, 3DO, Playstation e Saturn.

E como a matéria hoje é sobre games com água, em Donkey Kong Country você já se depara com uma missão submarina logo em uma das primeiras fases do jogo.

O que mais chamou a atenção, além dos belos gráficos, foi a música, que trazia uma sensação “aquática” e agradável ao jogador, aliado a ótimos efeitos sonoros. Sem dúvida, um dos maiores clássicos da quarta geração.


Menções Honrosas


Alguns jogos clássicos da quinta geração podem e ainda são considerados clássicos, porém nos citados acima só constam os em 8 e em 16 bits. Porém, outros dos Nintendo 64 e Playstation também fizeram sucesso com fases aquáticas, confere ai uma rápida lembrança deles:


Mario 64 – Nintendo 64

Mario 64

Pra mim um dos que teve e tem os melhores gráficos até hoje quando se fala em fases aquáticas. Jogaço!


The Legend of Zelda – Ocarina of Time! – Nintendo 64

Zelda MM (824)

Outro grande sucesso do Nintendo 64 , pois tinha uma fase chamada simplesmente de Templo da Água, só isso explica o quão já era boa a fase.


Tomb Raider – PlayStation

Screenshot_1

A série Tomb Raider sempre teve partes em que a nossa arqueóloga favorita tinha que nadar por um tempo ou por uma parte da fase para liberar uma porta, pegar um item ou aperta um botão.


Banjo Kazooie – Nintendo 64

banjo-10

Banjo foi outro jogo que tinha o gráfico muito bem feito e suas fases aquáticas eram bem complexas e difíceis.


Outros jogos como o Super Metroid do SNES, Subterrania do Mega Drive, Dino Crises 2 do Play 1 ou mesmo o CoD: Ghosts, para os games atuais também tiveram suas fases na água.

Mesmo sendo chata na maioria das vezes as fase de água sempre serão as mais difíceis e estarão sempre em nossos games.


Gostou? Compartilhe!



[Total: 1    Média: 5/5]

Flamenguista fanático, viciado em animes, séries, filmes e games . Frase: “Eleve seu cosmo, aumente seu ki, confie no coração das cartas e nunca se alie ao lado negro da Força”.